quinta-feira, 10 de março de 2016

Libras é ensinada no IFRO para facilitar comunicação com alunos com surdez


Desde o começo do ano letivo, alunos do campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (Ifro), em Cacoal (RO), cidade a cerca de 480 quilômetros de Porto Velho, recebem noções básicas da Língua Brasileira de Sinais (Libras). Conforme a direção, a iniciativa já era desenvolvida na unidade, mas foi ampliada devido o ingresso de dois alunos com deficiências auditivas.
"Nossa meta com esse projeto é minimizar as situações que dificultam a interação dos alunos com deficiência auditiva com os demais colegas do campus e vice versa", explicou o diretor de ensino, Adilson Miranda.
A tradutora e intérprete de Libras, Michelle Ayres, é a responsável por ministrar as aulas na unidade. O projeto, que é desenvolvido uma vez por semana em cada turma e acontece durante as aulas vagas, deve ser ampliado em breve.
"Além das aulas, também serão realizadas apresentações musicais e teatrais, elaboradas pelos alunos ouvintes. Nossa intenção não é só capacitar o aluno academicamente, mas fazer com que ele sinta o prazer de estudar e interagir com os colegas", apontou.
Douglas Pepe Silva, de 17 anos e que tem perda auditiva, é aluno do curso técnico em informática. Conta que se sente feliz com a iniciativa, que tem facilitado seu processo de aprendizagem e o aproximou dos demais alunos.
"Fico até emocionado ao ver o pessoal tentando aprender a linguagem de sinais para se comunicar comigo", diz o estudante, acrescentando que durante o bate-papo com os amigos, a comunicação é feita por meio de mensagens de texto pelo celular ou gestos. "Só não podem mandar vídeos, sem legendas em libras", brincou.
Jhon Patrik, de 18 anos, diz que já tinha noções da linguagem de sinais, por ter um primo surdo e isso facilitou sua comunicação com Douglas. Com isso, ele passou a ser uma espécie de porta voz entre ele e os estudantes ouvintes. "É engraçado, às vezes, a gente está conversando e de repente se forma um círculo de pessoas em nossa volta querendo saber o que estamos comunicando", contou.






A tradutora e intérprete de Libras, Michelle Ayres, é a responsável por ministrar as aulas no IFRO, em Cacoal (Foto: Rogério Aderbal/G1)

Texto e imagem de www.g1.globo.com